Quinta-Feira, 19 de Julho de 2018 - Ano 6

Tarefa de Pedro

18 março, 2018

O Apóstolo Pedro foi o homem escolhido por Jesus para a tarefa de orientar os demais Apóstolos na disseminação da Sua Doutrina, depois que Ele partisse.

Nos dias que se seguiram à crucificação de Jesus, os outros Apóstolos cobravam de Pedro o início da tarefa que lhe fora confiada.

No entanto, Pedro não se sentia merecedor da escolha feita pelo Mestre. Percebera a sua pequenez. Errara, negara o amado Mestre. Questionava-se como poderia, com toda a sua imperfeição, ser um pescador de homens.

Mas, ele seguiu em frente, encorajado a levar o amor do Cristo a todos.

Os discípulos organizaram-se e dividiram-se para que cada um viajasse a lugares diferentes, a fim de levar a Boa Nova às várias regiões do mundo.

A partir daí, Pedro não mais descansou. Iniciou sua jornada de fé e amor. Junto com outros cristãos, foi perseguido e viu alguns deles serem condenados à morte.

Por vezes, na sua caminhada, desanimava, pois se julgava falho e pequeno. No entanto, nesses momentos de dificuldade, sentia-se amparado por Jesus e pela Espiritualidade maior.

Curou doentes e levou a paz a muitos corações.

Ensinou que a verdadeira fé é quando realmente entregamos nas mãos de Deus o nosso caminho, fazendo a nossa parte, mas com a confiança de que tudo acontece de acordo com a Vontade Divina.

Mostrou que os ensinamentos deixados pelo Cristo devem ser levados a todos, independente da origem, da religião, da raça e das fragilidades que cada um carrega em sua alma.

Ensinou que o indivíduo só é livre quando vive a verdade. Só tem paz, quando vive de acordo com o que realmente acredita, sendo verdadeiro consigo mesmo e com os outros.

Exemplificou o perdão ensinado por Cristo, lembrando que Jesus perdoou até mesmo àqueles que O condenaram e também o perdoou por tê-lO negado.

Mostrou que, muitas vezes, temos medos e inseguranças, mas que quando a fé prevalece, nos enchemos de coragem e motivação.

Já velho e cansado, viu Paulo de Tarso, o grande Apóstolo, ser condenado à morte.

Dedicou a vida a solidificar no mundo, a Doutrina Consoladora deixada pelo Cristo.

Assim como Jesus, foi também condenado à morte. Crucificado, morreu por amor.

* * *

Pedro jurou ao Mestre que jamais O negaria e, no entanto, O negou, traindo a si próprio. Mostrou que todos erramos e que, muitas vezes, adotamos atitudes que pensávamos que jamais seríamos capazes.

Ainda nos conhecemos pouco. Temos nossos princípios e valores, mas é quando a vida nos põe à prova, que realmente vamos nos conhecer, através das atitudes e decisões que tomarmos.

Assim, apesar de nossas fraquezas e imperfeições, sigamos em frente, amando Jesus, buscando a Sua inspiração e o Seu exemplo, com a fé viva e a confiança de que somos capazes de semear no mundo a Sua paz.

A exemplo de Pedro, e de tantas grandes almas, possamos nós ser instrumentos de Deus na divulgação da Doutrina cristã.

Redação do Momento Espírita.

Em 11.05.2011.