Quinta-Feira, 19 de Julho de 2018 - Ano 6

União Europeia ataca indústria pesqueira do Brasil

10 janeiro, 2018
União Europeia ataca indústria pesqueira do Brasil

Depois do embargo à carne brasileira, decretada em março do ano passado com a divulgação da Operação Carne Fraca, agora é a vez de a União Europeia suspender a importação do pescado brasileiro, alegando irregularidades sanitárias em seis indústrias processadoras e parte da frota de pesca do Sul do país.

O próprio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapas) determinou a suspensão dos embarques a partir do último dia 3. A decisão vai representar um duro impacto na indústria que, de janeiro a novembro de 2017, vendeu 6 mil toneladas de peixes, crustáceos e moluscos para o bloco, com faturamento de quase US$ 22 milhões. Hoje a indústria brasileira de pesca emprega quase 4 mil pessoas.

Falando à Sputnik Brasil, o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Pescados (Abipesca), Eduardo Lobo, diz que a decisão é absurda, sem sentido, e que o Ministério da Agricultura não poderia concordar com o embargo. Ele cobra providências imediatas por parte do governo.

“É uma situação lamentável. A gente vai ter um impacto muito grande por se tratar de um dos maiores mercados do mundo que gira em torno de US$ 160 bilhões no qual o Brasil participa timidamente com menos de 2%, um mercado para o qual o Brasil se preparou nos últimos três anos, com previsões de chegar em 2018 com exportações de mais de US$ 100 milhões e agora a gente vem com essa notícia”, desabafa o presidente da Abipesca.

Lobo diz que essa situação não tem nada a ver com a questão sanitária do produto brasileiro. Segundo ele, até hoje, nenhum pescado brasileiro sofreu restrições de espécie alguma na União Europeia. Ele garante que os problemas encontrados nas seis unidades industriais são de pequena escala e mesmo no transporte das embarcações para essas indústrias localizadas, em sua maioria, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul, dois dos maiores exportadores para a UE. Outros estados com participação expressiva são Bahia, Rio Grande do Norte e Ceará.

“O que tem a ver as indústrias de exportação de lagosta, que trabalham com matéria-prima viva em suas unidades industriais com a vistoria ocorrida em setembro (de 2017)? É uma dimensão exagerada, uma punição descabida e a gente tem que reagir imediatamente”, afirma o dirigente.

Segundo a Abipesca, os pescados brasileiros mais demandados na UE são o atum, a lagosta, o tamboril — peixe de água salgada, presente no litoral do Sudeste e do Sul do país — e a tilápia. Os principais países importadores dentro da UE são Espanha, Portugal, França, Itália, Alemanha e Dinamarca. Lobo também chama a atenção ao fato de que o nível de exigência sanitária dos países africanos, que também são grandes exportadores de pescado para a EU, é muito menor do que o cobrado ao Brasil.

“O Brasil vende há mais de 100 anos pescado pelos Estados Unidos, passando pelo FDA (Food and Drugs Administration, órgão de controle de sanidade e fármacos), e lá ele tido como de excelente qualidade. A gente vende para a Comunidade Europeia há 70, 80 anos sem registro de qualquer contingência”, diz Lobo, descartando a hipótese de que o embargo possa estar relacionado a algum tipo de pressão da UE sobre o Brasil para fazer mais concessões no acordo comercial que o bloco europeu negocia com o Mercosul desde 1999.

“Nosso setor não aguenta uma solução a longo prazo. Temos que resolver isso nos próximos 15 ou 30 dias, pois isso afetará o desempenho da indústria nacional em 2018. Eles fizeram uma análise muito superficial. Poderiam ter vistoriado os 15 maiores exportadores brasileiros como uma fonte de amostragem mais eficiente”, finaliza o presidente da Abipesca.

Da Agência Sputnik

Imagem de capa reprodução da Bandeira da União Europeia