Terça-Feira, 12 de Dezembro de 2017 - Ano 6

Irã é como a Alemanha nazista em seu ‘compromisso para assassinar judeus’, diz Netanyahu

7 dezembro, 2017
Irã é como a Alemanha nazista em seu ‘compromisso para assassinar judeus’, diz Netanyahu

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu prosseguiu com seus ataques contra o Irã, comparando a República Islâmica com a Alemanha de Adolf Hitler, alegando que ambos compartilhavam o objetivo de exterminar todos os judeus.

“Obviamente, existem algumas diferenças entre a Alemanha nazista e a República Islâmica do Irã”, disse Netanyahu, antes de aproximar os dois países e os dois períodos distintos.

“Mas ambos os regimes têm duas coisas importantes em comum: primeiro, um compromisso implacável de impor a tirania e o terror e, segundo, um compromisso implacável de assassinar judeus”, afirmou em uma mensagem de vídeo, filmada para o Fórum Saban, uma conferência sobre a política dos EUA no Oriente Médio, que começou em Washington no domingo.

O líder israelense recentemente direcionou a sua retórica bélica ao Irã, acusando Teerã repetidamente de ganhar uma posição militar na Síria para atacar Israel e prometer “agir sozinho” para impedir o Irã de adquirir armas nucleares.

Um breve clipe do vídeo foi lançado no sábado, horas depois que um míssil supostamente lançado por Israel atingir o campo perto de Damasco. A mídia estatal da Síria informou que os mísseis atingiram um local militar, causando danos materiais. No entanto, algumas outras fontes de notícias informaram que os mísseis visavam uma base militar iraniana, que supostamente está sendo construída na área.

Netanyahu justificou seu foco incessante no Irã, dizendo que ele não pode pagar o “luxo de descontar suas ameaças genocidas de propósito expresso para erradicar nosso Estado”.

Ele então passou a prever o desaparecimento do “regime iraniano”, afirmando que Israel seria “o primeiro na linha para restaurar as relações” quando isso acontecer.

Reiterando suas afirmações anteriores de que Israel cooperou secretamente com várias nações árabes, ele expressou a esperança de que em “40 ou 100” anos, Israel “será abraçado abertamente por seus vizinhos árabes”.

O líder israelense mais uma vez atacou o acordo nuclear entre o Irã e seis potências mundiais como uma ameaça à existência do Estado judeu, pedindo que outras nações sigam a liderança do presidente dos EUA, Donald Trump, em “apagar as grandes falhas” do acordo marco.

Apesar das inúmeras garantias da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) que Teerã permanece em total conformidade com o acordo de 2015, permite inspeções e não excedeu o limite de 300 quilogramas para os estoques de urânio enriquecido, Netanyahu insiste em mudar ou desfazer o acordo universalmente aclamado.

O ex-secretário de Estado dos EUA, John Kerry, revelou recentemente que Netanyahu estava “genuinamente agitado” para os EUA tomarem medidas militares contra o Irã antes que o acordo nuclear fosse selado.

Enquanto as milícias do Hezbollah, apoiadas pelo Irã, estão lutando contra o Daesh ao lado das forças sírias, a própria liderança israelense parece estar dividida na questão se as atuais forças iranianas estiverem presentes na Síria. O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, afirmou recentemente que “não há força militar iraniana no solo sírio”, além de “alguns conselheiros e especialistas iranianos”.

A Rússia tem insistido que o Irã, que a par com a Turquia e a Rússia servem como garante de um cessar-fogo na Síria, está presente no país em termos legítimos, convidados pelo governo sírio, em oposição à coalizão liderada pelos EUA.

Da Agência Sputnik

Imagem de capa reprodução da internet do Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu