Quarta-Feira, 19 de Junho de 2019 - Ano 6

Não basta ter; é preciso fazer também pelo próximo

2 dezembro, 2018

Dia 24/12, quando os relógios marcarem meia-noite, os cristãos estarão renovando as esperanças num mundo melhor ao celebrarem o nascimento do Menino Jesus e pedindo para que Ele, na sua infinita bondade, possa abençoar cada lar e, com isto, garantir um futuro melhor para todos. Assim tem sido a vida de milhões de brasileiros: limitada à esperança por dias melhores, por pessoas melhores, por governos melhores. É uma esperança que parece não ter fim, mas, ao mesmo tempo, é uma realidade que parece cada vez mais distante, mais impossível de ser alcançada senão por todos, pelo menos pela maioria.

É neste momento que as preces são elevadas ao Criador, no pedido de perdão pela arrogância, a cobiça, a inveja, a mentira, a blasfêmia, ao orgulho que insiste em fazer parte do cotidiano de cada um. A fé é tanta que Ele, na sua infinita bondade, perdoa e deixa seus filhos livres dos fardos dos pecados e prontos para passar mais 364 dias pecando, até que o próximo Natal chegue e tudo se repita. Bom seria se toda essa liturgia servisse para aproximar as pessoas de Deus, tornando todos seres humanos melhores.

O fato é que passou da hora de fazer a diferença. Quem sabe, as pessoas ao pedirem perdão pelas falhas possam empenhar o voto de fazer um 2016 diferente, mais justo, humano, fraterno, verdadeiro, tomado pela ética e pelo desejo de realizar algo de bom em benefício do próximo.

Pouco adianta, porém, o pedido de perdão sem a conscientização que o bem-estar da coletividade depende das ações de cada um. Por isso é importante que todos façam a coisa certa, praticando o bem e a caridade, perdoando e amando, sendo justo consigo e com os outros. O espírito bondoso que invade as pessoas no período natalino deve ser cultivado ao longo de todo o ano, de forma que a vida fique menos amarga e mais otimista.

Não basta ser samaritano no Natal e depois passar o resto do ano tratando o semelhante como inimigo. É preciso ser solidário sempre, mesmo porque as pessoas carentes não sentem fome, sede e frio, ou sofrem de solidão somente no Natal. Portanto, se você está no rol daqueles que aproveitam o 25 de dezembro para doar uma cesta de alimentos, pense em como o mundo seria diferente se todos fizessem isso pelo menos uma vez no mês.

Portanto, aqueles que podem devem fazer do seu dia a dia um Natal, sem esperar nada em troca mas sempre disposto a amenizar o sofrimento daqueles que foram abandonados pela sorte e pelos governantes. O exercício da bondade, da cidadania, da benevolência, deve ser praticado sempre, todos os dias. Aos poucos, aqueles que praticam o bem começam a perceber que a própria vida está mudando para melhor.

Abandone a avareza, a cobiça e a gula, passe a trabalhar para que outras pessoas também tenham acesso ao sagrado alimento do cotidiano. Não espere ser chamado para ajudar, ajude por iniciativa própria e descubra que o sentido da vida está em dividir, em ser solidário e fraterno. Bom seria se esse espírito natalino também invadisse a mente dos homens públicos. Bom seria se eles deixassem de pensar apenas no benefício próprio ou de grupos e atuassem mais para a coletividade. Bom seria se eles acordassem para o fato que a coisa pública deve ser tratada como um bem do povo e não como uma empresa particular.

Na esperança por dias melhores, quando os relógios marcarem 24h, as pessoas que compartilham a fé em Cristo e cultuam o verdadeiro espírito natalino, estarão se abraçando numa grande confraternização que, a exemplo do que acontece todos os anos, marcará a renovação da esperança por dias melhores. Não que 2015 tenha sido de todo ruim, mas é inerente do ser humano a busca por melhores condições de vida, de trabalho, de lazer, da ascensão social e da fraternidade. Todos estes pontos são importantes, mas o ideal seria que os cristãos aproveitassem o Natal que bate às suas portas para renovar não apenas a esperança em dias melhores mas, sobretudo, a fé em Deus, em Nosso Senhor Jesus Cristo e na Virgem Maria, resgatando antigos dogmas da Santa Igreja Católica Apostólica Romana que sempre foram fundamentais na construção de seres humanos dotados de caráter, honra, ética e fé. Não basta querer um 2019 melhor. É preciso fazer com que o novo ano seja melhor e, neste quesito, cada pessoa tem que cumprir sua missão com dignidade e verdade.

HAG.