Domingo, 22 de Outubro de 2017 - Ano 6

Crônica da Urda Klueger

O DIA EM QUE EU DESCOBRI QUE AMAVA MEU PAI

21 outubro, 2017

1961. Eu só me dei conta que a coisa era séria mesmo quando ninguém foi para a aula. Estava no segundo ano primário, e para qualquer criança daquele tempo faltar a um dia de aula sem estar muito doente era ... Leia Mais »

MEU CACHORRO ATAHUALPA (1)

8 outubro, 2017

(Para Bartolomeu Moreira Monteiro) Penso que, no mundo dos cachorros, Atahualpa às vezes aparece como um cachorro exibido, como algumas crianças que viajam para a Disney e depois ficam se pavoneando na escola, cheias de importância, diante de amiguinhos que ... Leia Mais »

A MINHA PRIMEIRA ÁRVORE

24 setembro, 2017

Na primeira casa da minha infância havia, ao lado, um quadrado de grama onde a minha mãe quarava roupa, e, no meio desse quadrado, a primeira árvore importante da minha vida. Era um velho pé de Pflaumen (acho que é ... Leia Mais »

PROJETO GEMINI

16 setembro, 2017

Sempre digo que me criei numa época maravilhosa, onde aconteceram coisas tão fantásticas como nunca o mundo tinha visto. Essas coisas vão desde os Beatles até o movimento hippie, com sua quebra dos valores estabelecidos, e entre elas, sem dúvida, ... Leia Mais »

O MURO DE BERLIM

10 setembro, 2017

Em 1961, quando construíram o Muro de Berlim, eu tinha nove anos, e mal-e-mal sabia que Berlim ficava na Alemanha. Essas coisas de Alemanha dividida, de pós-guerra, de bloco capitalista e socialista, eram todas coisas das quais eu ainda não ... Leia Mais »

“Férias no Sul”

27 agosto, 2017

(Escrito em 1997) Faz pouco mais de um ano que, numa mostra de cinema, revi “Férias no Sul”, filme feito em Blumenau na década de sessenta, e que na época causou um frenesi na cidade. Vivíamos, naquele tempo do passado, ... Leia Mais »

O mistério do verde inigualável

20 agosto, 2017

(Para Roland Klueger, meu pai, que hoje faria 89 anos.) A sensação era de aquecimento, de corpo e de alma, e de alívio: o trem parara, e tenho certeza, hoje, que só aquilo já significava um grande alívio, pois a ... Leia Mais »

CHEIRO DE GOIABA

13 agosto, 2017

No finalzinho de 1959, meu pai nos trouxe de volta para Blumenau, depois de termos morado por quase quatro anos em Balneário Camboriu. Com as confusões que uma mudança acarreta, meus pais perderam a data de matrícula na escola onde ... Leia Mais »

No Tempo da Bolacha Maria

6 agosto, 2017

Eu cresci no tempo antigo, antes da televisão, da geladeira, dos supermercados e das guloseimas sofisticadas de hoje. Na minha infância, comia-se bem, mas a variedade era pouca. Uma mesa de café farta era uma mesa que tinha pão (de ... Leia Mais »

TAPA NA CARA

29 julho, 2017

(Escrito em 2003) Teve gente, em 11 de Setembro de 2001, que foi lá nos Estados Unidos e derrubou umas torres – eu vi coisa muito mais sutil, faz pouquíssimos dias, lá em Brasília: foi um verdadeiro tapa na cara ... Leia Mais »